Workshop debate cadeia produtiva de Terra-raras no Brasil
O diretor Mario Menel e o ministro Marcos Pontes

Ações do Governo Federal em Apoio ao Desenvolvimento da Cadeia Produtiva de Terras Raras foram o tema de workshop Terras-Raras, realizado no dia 22 de outubro, no Ministério da Ciência e Tecnologia – MCTIC, em Brasília. O evento contou com a participação ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, e representantes do setor privado. O engenheiro Mario Menel, diretor da ANE, representou a Academia Nacional de Engenharia.

O workshop teve como objetivo divulgar as ações empreendidas nesse segmento com o apoio dos governos federal e estaduais, bem como ouvir o setor privado sobre as necessidades e perspectivas do setor. Aconteceram palestras sobre o desenvolvimento da cadeia produtiva de terras raras, seguida por painéis que abordaram temas como os instrumentos de apoio a projetos de PD&I e os principais projetos desenvolvidos, as tendências do mercado desse insumo e suas aplicações, produção, uso e investimentos.

Também participam do evento o Centro de Tecnologia Mineral – CETEM, o Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear – CDTN, o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Patria – INCT Patria, a Universidade de São Paulo – USP, a Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, a Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais – CODEMGE e com o apoio da Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, do Instituto Brasileiro de Mineração – IBRAM, e da Roskill.

Terras Raras

Embora tenha essa nome, as Terras Raras são 17 elementos químicos considerados minerais estratégicos para o Brasil. Atualmente, as reservas são bastante abundantes, e no Brasil, o mineral utilizado industrialmente é a monazita. É um conjunto químico constituído pela família dos lantanídeos mais o ítrio. Composto pelos elementos lantânio, cério, praseodímio, neodímio, samário, európio e gadolínio, térbio, disprósio, hólmio, érbio, túlio, itérbio, lutécio e ítrio.