FOTO 12 08 2016
Mesa durante o debate: Sérgio Jaques de Moraes. Alberto Sayão, Flavio Miguez de Mello Roberto Guimarães e Carlos Henrique Medeiros

 

Contando com a Escola Politécnica da Universidade Federal da Bahia (UFBA) como anfitriã –  com o patrocínio da Academia Nacional de Engenharia (ANE), do Comitê Brasileiro de Barragens (CBDB), da Associação Brasileira de Mecânica dos Solos (ABMS) e do Clube de Engenharia (CE) – foi realizado no dia 19 de julho, em Salvador, Bahia, mais uma edição do evento técnico sobre segurança de barragens de rejeitos.

Como nas oportunidades anteriores, o evento lotou o auditório em que foi realizado. Na sessão de abertura, a mesa foi composta pela diretora da Escola Politécnica, professora Tatiana Bittencourt Dumêt, e pelos professores Luis Edmundo Campos, Hélio Baptista e Roberto Guimarães, todos da UFBA.  O Acadêmico professor Alberto Sayão introduziu o tema do evento e apresentou um interessante resumo dos eventos anteriores, realçando as principais conclusões alcançadas.

Em seguida, o Acadêmico professor Flavio Miguez de Mello discorreu sobre a engenharia aplicada a barragens de rejeitos e enfatizou as características de projeto e de construção dessas barragens. Relatou também a evolução da engenharia de segurança de barragens que represam reservatórios de água, evolução esta catalisada por impactantes acidentes ocorridos no Brasil e no exterior que foram sumarizados na apresentação. Passou a enfocar os acidentes ocorridos com reservatórios que acumulam rejeitos de mineração. Mencionou a evolução da implantação da lei de segurança de barragens que teve seus primórdios na iniciativa do engenheiro Ferdinand M.G. Budweg durante a visita propiciada pela CESP às acidentadas barragens Euclides da Cunha e Limoeiro, em 1977.

 

Público lotou o auditório e participou do debate.
Público lotou o auditório e participou do debate.

 

Seguiu-se a apresentação do professor Carlos Henrique Medeiros, diretor do CBDB, sobre a Lei de Segurança de Barragens e sua regulamentação. A Lei, conseguida principalmente pelo esforço do CBDB por mais de três décadas, foi sancionada em 2010 e tem sido largamente aplicada em todo território nacional. A apresentação foi detalhada e despertou intenso interesse da plateia.

Antes dos debates, o advogado Sérgio Jaques de Moraes falou sobre a responsabilidade e a legislação vigente no País. Moraes realçou as consequências que incidem nas empresas de mineração por acidentes que causem falecimentos de pessoas e danos econômicos e ambientais.

Acalorados debates, coordenados pelo Acadêmico professor Sayão, se seguiram, tendo havido inúmeras perguntas do auditório, algumas das quais vindas de estudantes. O engenheiro Dimitry Znamenky apresentou interessante contribuição técnica sobre corridas de detritos que podem causar importantes impactos econômicos e ambientais e que podem apresentar características semelhantes a colapsos de barragens de rejeitos.

O Acadêmico professor Francis Bogossian fez a avaliação dos trabalhos e o encerramento do evento realçando com perguntas insinuantes que indicaram as atuais dificuldades de gestão e suas consequências na segurança de empreendimentos de mineração no País.

Edições anteriores

Essa foi a terceira edição do seminário Segurança de Barragens de Rejeitos, o evento teve início poucos dias após o colapso da barragem de Fundão, situada em Mariana (MG), que atingiu mais de 600 km de rios da bacia hidrográfica do rio Doce, tendo soterrado uma pequena usina hidroelétrica e atingido os reservatórios de quatro usinas hidroelétricas de maior porte, estes sobre a calha do próprio rio Doce e atingindo vários sistemas de abastecimento de água. O acidente propagou lama em grandes extensões até o litoral do Espírito Santo, atingindo também o seu litoral.

A primeira edição aconteceu no Clube de Engenharia, no Rio de janeiro (RJ), por iniciativa do engenheiro Francis Bogossian, vice presidente da ANE, e com o apoio das entidades acima mencionadas. Na ocasião, foram discutidos aspectos técnicos, ambientais e jurídicos do acidente foram discutidos em profundidade. O evento despertou profundo interesse e foi repetido no Instituto de Engenharia em São Paulo.