Natural de Jacarezinho, o Acadêmico Niro Higuchi foi criado em Chavantes floresta que desenvolveu sua vocação profissional. Engenheiro Floresta Amazônica. “Eu não escolhi a engenharia florestal; ela me escolheu. Eu queria ser agrônomo, mas o destino fez com que o meu procurador me inscrevesse, sem querer, para engenharia florestal Acadêmico, que fez o curso superior na Universidade Federal do Paraná, em Curitiba, onde também obteve o título de mestre. Fez doutorado na University Oxford, na Inglaterra. “Depois que eu fui escolhido pela engenharia florestal, a minha intuição indicava que a minha carreira só poderia ser construída na Amazônia. Passei dois anos em Cuiabá morando no meio do cerra lindo, mas como engenheiro eu sentia a falta de DAP nas árvores daquele bioma. Novamente, eu fui beneficiado pelo destino quando apareceu a oportunidade de trabalhar para o I Pesquisas da Amazônia (INPA), em Manaus, em 19 a minha carreira de engenheiro florestal”, diz Niro Higuchi, r Amazônica é um privilégio para poucos. O engenheiro atua principalmente na área de Recursos Flor Inventário e Manejo Florestal. Há mais de 30 anos é pesquisador pela disciplina de Manejo Florestal do curso de pós instituto. Também lecionou na Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT) e na Universidade Federal do Paraná (UFPR). Atualmente é gerente Programa de Grande Escala da Biosfera desafio garantir a produtividade diante da crise eco contínuas e continuar contribuindo para a formação de pessoal na área da interação bios afirma o Acadêmico, que acredita que somente por meio do conhecimento é possível compatibilizar desenvolvimento com equilíbrio ambiental. O Acadêmico Niro Higuchi recebeu o Prêmio Nobel da Paz, trabalham na ONU, para estudos e defesa do Clima. na categoria “Vida e Obra” ” concedido em reconhecimento à obra de um especialista. Academia Brasileira de Ciências. Também recebeu o diploma de Honra ao Méri Honrosa “Warwick Estevam Kerr”, d Internacional do Japão, entre outros títulos e homenagens. Tem dezenas de teses. Niro Higuchi “Somente por meio do conhecimento é possível compatibilizar desenvolvimento com equilíbrio ambiental” Natural de Jacarezinho, o Acadêmico Niro Higuchi foi criado em Chavantes ( floresta que desenvolveu sua vocação profissional. Engenheiro Florestal, há mais de 30 anos pesquisa a Floresta Amazônica. “Eu não escolhi a engenharia florestal; ela me escolheu. Eu queria ser agrônomo, mas meu procurador me inscrevesse, sem querer, para engenharia florestal que fez o curso superior na Universidade Federal do Paraná, em Curitiba, onde também obteve o título de mestre. Fez doutorado na Michigan State University, nos Estados Unidos, e pós “Depois que eu fui escolhido pela engenharia florestal, a minha intuição indicava que a minha carreira só poderia ser construída na Amazônia. Passei dois anos em Cuiabá morando no meio do cerra lindo, mas como engenheiro eu sentia a falta de DAP nas árvores daquele bioma. Novamente, eu fui beneficiado pelo destino quando apareceu a oportunidade de trabalhar para o I , em Manaus, em 1980. Aqui estou desde então e aqui vou ficar até encerrar a minha carreira de engenheiro florestal”, diz Niro Higuchi, ressaltando que trabalhar com a F mazônica é um privilégio para poucos. tua principalmente na área de Recursos Florestais e Engenharia Florestal, com ênfase em Há mais de 30 anos é pesquisador do INPA, onde é também r e Manejo Florestal do curso de pós-graduação em Ciências de Florestas Tropicais do Também lecionou na Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT) e na Universidade Federal do Programa de Grande Escala da Biosfera-Atmosfera na Amazônia (LBA) desafio garantir a produtividade diante da crise econômica. “As prioridades são manter as medições contínuas e continuar contribuindo para a formação de pessoal na área da interação bios , que acredita que somente por meio do conhecimento é possível compatibilizar lvimento com equilíbrio ambiental. Niro Higuchi recebeu o Prêmio Nobel da Paz, em 2007, junto com outros cientistas que trabalham na ONU, para estudos e defesa do Clima. Em 2010, foi agraciado com o Prêmio Fundação Bunge concedido em reconhecimento à obra de um especialista. Também recebeu o diploma de Honra ao Mérito do Ministro dos Negócios Estrangeiros do Japão; a Menção do INPA; e o JICA”s Presidente Award, da Agência de Cooperação Internacional do Japão, entre outros títulos e homenagens. Tem mais de cem artigos publicados e orientou Niro Higuchi omente por meio do conhecimento é possível compatibilizar desenvolvimento com equilíbrio ambiental” (SP), mas foi no meio da há mais de 30 anos pesquisa a Floresta Amazônica. “Eu não escolhi a engenharia florestal; ela me escolheu. Eu queria ser agrônomo, mas meu procurador me inscrevesse, sem querer, para engenharia florestal”, conta o que fez o curso superior na Universidade Federal do Paraná, em Curitiba, onde também obteve s Unidos, e pós-doutorado na “Depois que eu fui escolhido pela engenharia florestal, a minha intuição indicava que a minha carreira só poderia ser construída na Amazônia. Passei dois anos em Cuiabá morando no meio do cerrado; tudo muito lindo, mas como engenheiro eu sentia a falta de DAP nas árvores daquele bioma. Novamente, eu fui beneficiado pelo destino quando apareceu a oportunidade de trabalhar para o Instituto Nacional de 80. Aqui estou desde então e aqui vou ficar até encerrar essaltando que trabalhar com a Floresta estais e Engenharia Florestal, com ênfase em INPA, onde é também responsável em Ciências de Florestas Tropicais do Também lecionou na Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT) e na Universidade Federal do Atmosfera na Amazônia (LBA) e tem como As prioridades são manter as medições contínuas e continuar contribuindo para a formação de pessoal na área da interação biosfera e atmosfera”, , que acredita que somente por meio do conhecimento é possível compatibilizar com outros cientistas que foi agraciado com o Prêmio Fundação Bunge concedido em reconhecimento à obra de um especialista. ?? membro da do Ministro dos Negócios Estrangeiros do Japão; a Menção JICA”s Presidente Award, da Agência de Cooperação artigos publicados e orientou dezenas de teses.

Currículo (.pdf)