Posse: 2009
Cadeira: 80
Patrono: Francisco Romeu Landi

Há mais de quatro décadas, o engenheiro mecânico Hans Ingo Weber está à volta com a formação de novos profissionais e é na atividade acadêmica que renova suas energias e tem seu maior orgulho.  “Os alunos são uma espécie de família do professor. Os acompanhamos por vários anos e isso cria uma relação familiar. Ensinar, orientar é uma forma de multiplicar o conhecimento, já que lidamos com uma diversidade de pessoas e pensamentos”, diz o engenheiro, que é professor titular da PUC-Rio, onde recebeu o título de Professor Emérito.

Nascido nas proximidades de Praga, Hans Weber veio para o Brasil aos quatro anos de idade e obteve a cidadania brasileira aos 19 anos. Atuou em empresas privadas, mas foi na área acadêmica que construiu sua vida profissional e pode perceber as mudanças que ocorreram no comportamento de gerações de jovens.

Logo após ter terminado o mestrado, fui para a Alemanha, em 1969, fazer o doutorado e voltei em 1971. Naquela época, a mentalidade de todo bolsista era ir para o exterior e voltar com o conhecimento para desenvolver o país, para fazer a diferença. Agora, ao invés de formar doutores para o Brasil, formo doutores para o mundo. Isso é efeito da globalização, é uma mudança de paradigma”, destaca o professor que mostra certa inquietação em relação à formação atual dos pesquisadores.

“Há uma tendência cada vez maior de que o pesquisador universitário seja quase um profissional liberal que arrume recursos para pesquisa em algum lugar. Na prática, significa que é preciso fazer algo cuja utilização seja imediata. Não há mais o cuidado de formar pessoas capazes de resolver problemas futuros. A tecnologia evolui e se trabalhamos com o imediato não deixamos espaço para a cabeça pensar”, atenta Hans Weber.

Formado pela USP, com mestrado na Coppe/UFRJ e vários pós-doutorados (Alemanha, França), Hans Weber foi professor entre 1974 e 1998 na Unicamp e um dos responsáveis pela implantação do curso de Engenharia Mecânica da instituição. No exterior, atuou como professor visitante no INSA de Lyon, no Conservatoire National des Arts et Métiers, na França, e na Technical University of Munich, Universität Stuttgart, e na Ulm University, na Alemanha.

Desde 1998 atua na PUC-Rio. Publicou mais de 300 artigos científicos, participou de mais de 160 congressos, orientou mais de 60 alunos entre mestres e doutores. Foi bolsista da Fundação Alexander von Humboldt e conta com o apoio do CNPq através de bolsa de produtividade em pesquisa. Recebeu homenagens como a Comenda da Ordem Nacional do Mérito Científico, do Governo Federal (2002), o Prêmio ABCM de Engenharia Mecânica Brasileira (2007), e a homenagem Diname/ABCM de reconhecimento às contribuições científicas ao longo da vida profissional (2013).

Sua atividade científica atual foca no estudo dinâmico de sistemas como: colunas de perfuração, máquinas rotativas, corpos em rotação no espaço, impacto entre corpos. Procura entender problemas complexos partindo de modelagens simplificadas e validações experimentais.