Seminário debateu acidente no Porto de Santana

 

SSandroni Sayao
O professor Sandro Sandroni apresentou a localização e o histórico da obra

O acidente no terminal portuário de minério de ferro de Santana, no Amapá, foi o tema do debate, realizado no dia 19 de maio, na PUC-Rio. O evento, organizado pelo acadêmico Alberto Sayão, contou com a presença do presidente da Academia Nacional de Engenharia (ANE), Francis Bogossian, que destacou a importância da promoção de debate público sobre as lições de um acidente de engenharia. O acadêmico Willy Lacerda proferiu a palestra “Cinemática da Ruptura”.

As palestras foram ministradas por consultores contratados da Anglo American, empresa que operava o porto, que apresentaram aspectos técnicos do acidente, com base nos estudos desenvolvidos pela equipe. Fazem parte desse grupo os professores Sandro Sandroni e Alberto Sayão e (PUC-Rio), Fernando Marinho (EPUSP), Fernando Schnaid (UFRGS), Luiz Guilherme Mello (EPUSP), e Willy Lacerda (COPPE-UFRJ).

A primeira palestra foi do professor Sandro Sandroni, que apresentou a localização e o histórico da obra; fez uma descrição do acidente; e exibiu um resumo dos estudos dos consultores. A palestra possibilitou ao público conhecer o local, entender o que ocorreu no acidente e identificar as principais causas apontadas nos respectivos estudos.

O professor Luiz Guilherme apresentou o layout e a logística para operação do porto, incluindo informações como: locais de estocagem, capacidade de embarque/desembarque e fluxo de carga, que foram estudados para encontrar a possível causa de ruptura.

A cinemática do movimento do solo foi explicada pelo acadêmico Willy Lacerda, que mostrou a sequência e o tipo de movimento no acidente. Para chegar a essas conclusões, foram analisadas imagens de uma câmera de segurança que mostraram uma rápida movimentação das estruturas no momento da ruptura. Além das imagens, foi mostrada uma comparação dos levantamentos do batimétricos realizados antes e depois do acidente.

Os professores Fernando Schnaid e Fernando Marinho apresentaram as investigações geotécnicas realizadas antes e após o acidente. Schnaid focou sua apresentação nos ensaios de piezocone no campo, evidenciando o valor de Bq > 1 obtido nos perfis de CPTu (valor não usual para a costa brasileira), e a elevada sensitividade obtida em certas profundidades por meio de ensaios de palheta. O palestrante mencionou o comportamento metaestável do solo do Porto de Santana.

Este comportamento foi também citado na apresentação de Fernando Marinho, que destacou os valores elevados de Índice de Liquidez (maiores que 1), e mostrou um comparativo do solo do Porto de Santana com a as propostas de Burland (1990). Marinho apresentou ainda os resultados de ensaios de microscopia e de ensaios triaxiais do tipo CIU.

Por fim, o professor Luiz Guilherme apresentou as principais conclusões de experientes e renomados especialistas internacionais, também consultados pela Anglo American: Michele Jamiolkowski (Itália), James Mitchell, Serge Leroueil (Canadá), Kaare Hoeg (Noruega) e David Hight (Inglaterra).

Finalizadas as apresentações, os palestrantes foram convidados a compor a mesa para a seção de debates, conduzida pelo acadêmico Alberto Sayão. Ao fim do debate, o professor Fernando Schnaid fez uma breve conclusão, resumindo os principais pontos apresentados ao longo do seminário.