FONTES RENOVÁVEIS DE ENERGIA NO BRASIL


Acadêmico Alcir de Faro Orlando
ACADEMIA NACIONAL DE ENGENHARIA


Segurança energética é a associação entre segurança nacional e disponibilidade de recursos nacionais para consumo de energia.  A combinação do uso de energias renováveis com eficiência energética resulta em segurança energética e desenvolvimento econômico.  As previsões para o ano de 2020 no Brasil, indicam que cerca de 88% da oferta de energia elétrica será de origem renovável, com 69 % de energia hidráulica, 10 % de biomassa e 4,3 % de energia eólica.  No mundo, apenas 19% da oferta de energia elétrica é renovável.  Na Europa, cerca de 78 % da energia final tem origem em combustível fóssil, e 57 % do combustível fóssil é importado, o que resulta numa dependência incômoda.  Segundo as previsões do Ministério de Minas e Energia para 2030, a eficiência energética pode reduzir a demanda energética total em 9%.  Assim, estão sendo tomadas medidas para implantação de inovações tecnológicas e do aumento do uso de energias renováveis em relação às que usam combustíveis fósseis.  Pelo Programa Luz para Todos, cerca de 3 milhões de lares rurais foram beneficiados pelo uso da energia solar fotovoltaica.  O Brasil tem o terceiro potencial hidrelétrico do mundo (10%), atrás da China (13 %) e Rússia (12%), mas apenas 1/3 já foi aproveitado.  O Bioma Amazônico é responsável por cerca de 59 % do potencial hidrelétrico que pode ser tecnicamente aproveitado.  A complementariedade sazonal da oferta das diferentes fontes renováveis permite o uso de energia elétrica praticamente ao longo de todo o ano, usando-se uma rede extensa de transmissão de energia elétrica já construída. O volume de água dos reservatórios de usinas hidrelétricas deve ser especificado de modo a minimizar o uso de usinas termelétricas poluidoras e mais caras, e permitir o uso mais otimizado de fontes renováveis de natureza intermitente, como solar e eólica.  Usinas solares fotovoltaicas flutuantes nestes reservatórios têm sido sugeridas, aproveitando a infraestrutura existente de transmissão de energia elétrica.  O custo das instalações fotovoltaicas tem caído muito nos últimos anos, situando-se em pouco menos de US$ 3/Wp nos Estados Unidos para usinas conectadas com a rede de energia elétrica.  Nos últimos leilões realizados o valor do MWh ofertado se situou um pouco acima de R$ 200, contra menos de R$ 100 para as usinas hidrelétricas.  Desta forma, espera-se que em cerca de 5 anos a energia solar seja muito mais competitiva em relação às outras renováveis.  O Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação tem investido em projetos audaciosos para implantação da tecnologia no Brasil.  O INMETRO implantou um Programa de Etiquetagem de componentes de sistemas fotovoltaicos, classificando comparativamente por desempenho os diferentes equipamentos existentes no mercado, hoje um requisito compulsório para importação. Finalmente, a ANEEL regulamentou um sistema de compensação de energia pelas concessionárias, permitindo o uso de medidores bidirecionais de energia elétrica para unidades consumidoras dotadas de pequena geração.