Roberto Kochen, Alberto Sayão, Flavio Miguez de Mello, Sérgio Jacques de Moraes e Carlos Henrique de Medeiros (Da esq. para a dir.)
 

A segunda edição dos debates sobre Barragens de Rejeitos, organizada pela Academia Nacional de Engenharia (ANE), pela ABMS e pelo Comitê Brasileiro de Barragens (CBDB) aconteceu no dia 9 de março, em São Paulo. O evento reuniu cerca de 190 pessoas, além do público que assistiu ao encontro pela Internet. Ao falar sobre o tema, o Acadêmico Alberto Sayão, coordenador e moderador do evento e presidente da Comissão Técnica de Barragens da ABMS, lamentou a falta de informações sobre a investigação do acidente em Mariana (MG), o que, segundo ele, limita a compreensão sobre o que ocorreu. Alberto Sayão destacou ainda a necessidade de mudanças em algumas práticas de engenharia para devolver segurança a essas obras.

O evento foi aberto pelos engenheiros Camil Eid e Miriana Marques, presidente e vice-presidente do Instituto de Engenharia. O primeiro painel foi apresentado pelo engenheiro Carlos Henrique Medeiros, diretor do CBDB e associado da ABMS, que abordou a Lei de Segurança de Barragens. Em seguida, o advogado Sergio Jacques de Moraes, ex-presidente do Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM) explicou um pouco da legislação do setor.

Presidente do IBAMA, a engenheira Marilene Ramos apresentou o terceiro painel "Aspectos Ambientais " Ações do IBAMA". Ela destacou que há danos irreparáveis e falou sobre as Medidas Compensatórias adotadas para melhorar a qualidade ambiental do meio, como a regeneração florestal, a recuperação de nascentes, dentre outras. Ela destacou ainda a necessidade de considerar as questões ambientais durante as construções de barragens de rejeitos.

Acadêmico da ANE e presidente honorário do CBDB, Flavio Miguez de Mello apresentou o painel do evento: "A Engenharia de Barragens de Rejeitos". Em sua exposição, o acadêmico falou sobre os critérios de projeto e métodos de construção de barragens de rejeitos. Abordou também a evolução dos critérios de segurança de barragens, mencionando os colapsos que acarretaram o desenvolvimento das legislações sobre segurança de barragens em diversos países.



O Acadêmico Francis Bogossian 

 

Após um intervalo para perguntas, o último painel foi apresentado pelo engenheiro Joaquim Pimenta de Ávila, associado da ABMS e do CBDB. Ele falou sobre acidentes em Barragens de Rejeitos no Brasil. Ao debater a questão, o engenheiro lembrou que é preciso haver fiscalização. Após as perguntas finais, a Acadêmico Francis Bogossian encerrou o seminário. Ele levantou algumas reflexões sobre o assunto e sugeriu a elaboração de uma carta aberta para ser enviada à Presidente Dilma Rousseff, com sugestões das principais entidades de engenharia.

Realizado desta vez no Instituto de Engenharia com apoio da ANE, da ABMS, e do CBDB, o evento deverá ter novas edições em outros estados. A primeira aconteceu no Rio de Janeiro em 2015.

 
Crédito Fotos: divulgação Instituto de Engenharia