CNPq entrega título de Pesquisador Emérito a Sandoval Carneiro Jr.

Cerimônia foi realizada na Escola Naval da Marinha

PREMIO SANDOVAL
Sandoval Carneiro Jr. (à direita) é um dos Pesquisadores Eméritos de 2017

O Acadêmico Sandoval Carneiro Júnior (UFRJ) recebeu na noite de 9 de maio o título de Pesquisador Emérito do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). A entrega ocorreu durante a cerimônia de outorga do Prêmio Almirante Álvaro Alberto, concedido ao pesquisador Samuel Goldenberg.

A premiação aconteceu na Escola Naval, no Rio de Janeiro, e contou com a presença do Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab; o presidente do CNPq, Mario Neto Borges; o chefe do Estado-Maior da Armada, Almirante de Esquadra Luis Guilherme de Sá Gusmão; o presidente da CAPES, Abílio Baeta Neves; o presidente da FINEP, Marcos Cintra; o Secretário de Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, Pedro Fernandes; a Academia Nacional de Engenharia (ANE) foi representada por seu presidente, Francis Bogossian.

Além do Acadêmico Sandoval Carneiro Jr., outros nove pesquisadores receberam o título de Pesquisadores Eméritos. Foram eles: Ângelo Barbosa Monteiro Machado (UFMG), Fábio de Melo Sene (USP), Ingedore Grunfeld Villaça Koch  (UNICAMP), Jorge de Lucas Junior  (UNESP), Jorge Luiz Gross (UFRGS), Jose Arthur Giannotti (CEBRAP), Luiz Carlos Bresser Pereira  (FGV), Othon Henry Leonardos (UnB), Ricardo de Araújo Kalid (UFSB).

A Menção Especial foi entregue ao Deputado Federal Sibá Machado (PT/AC), atualmente Secretário de Estado de Desenvolvimento Florestal, da Indústria, do Comércio e dos Serviços Sustentáveis do Acre, por sua atuação na aprovação, em 2016, do Marco Legal da CT&I, tendo sido relator da proposta na Câmara dos Deputados.

Durante a cerimônia, o Ministro de Kassab comentou a questão orçamentária para a Ciência e o presidente do CNPq, Mario Neto, destacou a importância dos pesquisadores para o avanço da ciência brasileira. “Todos vocês representam grandes contribuições para o avanço da ciência brasileira”, afirmou.

 

Fonte: site CNPq