Almirante-de-esquadra Bento Costa Lima Leite de Albuquerque Júnior é indicado para ministro de Minas e Energia

 

Em abril o Almirante apresentou palestra sobre o Programa Nuclear da Marinha no Clube de Engenharia

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, anunciou pelo Twitter na sexta-feira (30) o almirante-de-esquadra Bento Costa Lima Leite de Albuquerque Júnior como futuro ministro de Minas e Energia. Nascido no Rio de Janeiro, o Almirante ingressou na Marinha na década de 70. Atualmente é diretor geral de desenvolvimento nuclear e tecnológico da Marinha e faz parte do conselho de administração da Nuclebrás, autarquia responsável por desenvolver o programa nuclear brasileiro. Em abril deste ano, a convite do presidente da Academia Nacional de Engenharia (ANE), Francis Bogossian, o Almirante apresentou a palestra “O Programa Nuclear da Marinha e o Programa de Desenvolvimento do Submarino Nuclear (Prosub)”, no Clube de Engenharia, no Rio de Janeiro. Ele também ministrou a palestra para os membros da Academia Cearense de Engenharia e da Academia Pernambucana de Engenharia.

Entre os cargos que ocupou estão: observador das forças de paz da ONU em Saraievo; assessor parlamentar do ministro da Marinha no Congresso e comandante dos submarinos Tamoio e Toneleiro. Ele também já atuou como: chefe de gabinete do Estado-Maior da Armada; chefe de gabinete do comandante da Marinha e Comandante em Chefe da Esquadra, além de secretário de ciência, tecnologia e inovação da Marinha.

Como diretor-geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha, Bento Costa Lima respondeu por todas as unidades científicas da Força, o que inclui o programa de desenvolvimento de submarinos (Prosub) e o programa nuclear da Marinha (PNM). O Almirante tem pós-graduação em Ciência Política pela Universidade de Brasília e MBA em gestão pública pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

“É um almirante, só ver o currículo dele. Ele é físico, uma pessoa honrada e que está com muita vontade de buscar soluções para questões graves que temos pela frente, entre as quais a de energia. Não podemos esperar um novo apagão para tomar providência. Isso tudo vai passar pela pasta dele. Ele tem carta branca, como os demais, para escolher o seu ministério. O que queremos no final é que a missão seja cumprida”, afirmou Bolsonaro mais tarde, após participar de uma agenda em Guaratinguetá (SP).