Abenge confere prêmio a mulheres que se destacam na educação em engenharia no Brasil

Prêmio Edwiges Hor-meyll – Abenge é uma homenagem à primeira engenheira formada no Brasil, ex-aluna Poli-UFRJ, em 24 de abril de 1920

 

A diretora da Escola Politécnica da UFRJ (Poli-UFRJ), prof.ª Cláudia Morgado, foi uma das agraciadas do Prêmio Edwiges Hor-meyll, que homenageia as mulheres que se destacaram na educação em Engenharia, especialmente as diretoras pioneiras de escolas de engenharia centenárias do Brasil. A premiação aconteceu ontem (3/9), à noite, na cerimônia oficial de abertura do XLVI Congresso Brasileiro de Educação em Engenharia (Cobenge2018), em Salvador (BA), quando a Associação Brasileira de Educação em Engenharia (Abenge) lançou a campanha “Mais Mulheres na Engenharia”.

“Agradeço o prêmio e parabenizo à Abenge por criar a campanha “Mais Mulheres na Engenharia”. É muito importante estimular a presença feminina na Engenharia, como em todas as áreas do conhecimento”, disse a prof.ª Cláudia Morgado.

Também receberam o Prêmio Edwiges Hor-meyll as engenheiras e professoras Esmeraldina Pereira da Silva (in memorium, Diretora da Escola Politécnica da Universidade de Pernambuco, 1974-1975), Ana Maria de Mattos Retti (Diretora da Abenge, 1991-1995 e 2013-2015), Denise Caperna Coitinho Dal Molin (Diretora da Escola de Engenharia da UFRGS, 2008-2012), Leila Figueiredo de Miranda (Diretora da Escola de Engenharia da Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2011-2017), Tatiana Bittencourt Dumet (Diretora da Escola Politécnica da UFBA, 2014-2018), Adriana Maria Tonini (Diretora do CNPq, na área de Ciências Exatas, Engenharia e Computação, 2016-2018), e Liedi Legi Bariani Bernucci (Diretora da Escola Politécnica da USP, 2018-2022).

Na ocasião, o CNPq apresentou chamada para campanha voltada para a educação básica “Meninas nas Ciências Exatas, Engenharias e Computação”, cujo o objetivo é o estímulo à participação e à formação de meninas e mulheres para as carreiras de ciências exatas, engenharias e computação.